Ir para Conteúdo

Notícias

Auditório de Arronches integra Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses
14 set '21 | Cultura
Auditório de Arronches integra Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses
Candidatura da Câmara Municipal foi aprovada com o equipamento cultural a fazer agora parte de mais de oito dezenas de entidades artísticas que passarão a funcionar em rede, para promover uma oferta cultural de qualidade e diversificada.   No sentido de combater as assimetrias regionais e para o fomento de coesão territorial no acesso à cultura e às artes em Portugal, a Direção-Geral das Artes criou a Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses, um instrumento estratégico que visa contribuir para incrementar a procura e oferta culturais, reforçar a circulação de obras artísticas, aumentar as coproduções entre entidades, fomentar a articulação programática entre equipamentos da rede, envolver agentes culturais e artísticos locais, desenvolver estratégias de mediação e apoiar boas práticas na transição digital, sustentabilidade ambiental, inclusão e  acessibilidade física, social e intelectual Consciente da importância que uma possível inclusão neste projeto teria para o Município de Arronches, a autarquia submeteu em meados deste ano um pedido de credenciação à Direção-Geral das Artes, tendo sido com satisfação que ficou agora a conhecer o deferimento da candidatura, pelo que já faz parte das mais de oito dezenas de entidades artísticas que integram a Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses. Fazendo parte deste projeto, a Câmara Municipal de Arronches tem agora a possibilidade de se candidatar ao concurso de apoio à programação da Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses, que abre em outubro, em data a anunciar.
‘Periferias’ trouxe cinema a locais menos habituais
04 ago '21 | Cultura
‘Periferias’ trouxe cinema a locais menos habituais
Festival Internacional de Cinema decorreu entre os dias 30 de julho e 4 de agosto no concelho de Arronches.   Arronches recebeu entre o final do mês de julho e o início deste mês de agosto um programa especial integrado no 9.º Festival Internacional de Cinema de Marvão e Valência de Alcântara, uma iniciativa levada a efeito com natural destaque para a sétima arte, mas também com uma componente virada para os recursos naturais. Foi precisamente este último tema que abriu o certame com uma palestra realizada na passada sexta-feira, dia 30 de julho, no Centro Cultural de Arronches onde se discutiram os ‘Valores naturais do Parque da Serra de São Mamede’. Esta foi uma sessão que teve como palestrantes os técnicos do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, João Carlos Farinha e Nuno Sequeira e que analisando, por exemplo, a morfologia, a fauna ou a flora da área, serviu como introdução para uma das atividades que tiveram lugar no dia seguinte. O ponto alto deste festival foi a exibição de cinema no lugar de Marco, onde uma assistência, na qual se encontravam cerca de cinquenta pessoas, teve a oportunidade de desfrutar do filme ‘Surdina’, uma película escrita por Valter Hugo Mãe, com realização de Rodrigo Areias e que venceu os Prémios para Melhor Filme, Melhor Banda Sonora original (Tó Trips) e Melhor Fotografia (Jorge Quintela) no 32º Festival Internacional de Cinema de Girona, em Espanha. Nesta noite, o vice-presidente João Crespo e a diretora do Festival, Paula Duque aproveitaram para dirigir algumas palavras aos presentes. O autarca arronchense mostrou-se satisfeito com a escolha deste concelho para promover um projeto tão interessante, sublinhando que a organização pode voltar a contar com o Município para novas atividades deste género. Por outro lado, relembrou a importância de apoiar o cinema português e espanhol, servindo também este Festival para estreitar a relação entre os dois povos. Já a diretora do Festival, Paula Duque, recordou o trabalho desenvolvido neste projeto, que já tem nove anos de existência, agradecendo a todos os que colaboraram com a organização, como é o caso do Município de Arronches, que soube entender a importância de trazer o cinema a locais zonas onde o acesso a este tipo de eventos é menor. No sábado, decorreu então uma caminhada pelo percurso pedestre de Esperança, todo ele dentro daquilo que é a área do Parque Natural da Serra de São Mamede, em que os participantes puderam testemunhar ao vivo as informações recolhidas na palestra do dia anterior, tendo este convívio sido liderado por Nuno Sequeira, do ICNF e por Nuno Alegria do Núcleo Regional de Portalegre da Quercus. Por fim, o festival terminou nesta quarta-feira, dia 4 de agosto, com a Maratona de filmes infantis. Apesar deste evento estar inicialmente agendado para domingo, o mesmo foi adiado para esta quarta-feira, permitindo assim a visualização das películas por parte das crianças do Centro Lúdico da autarquia. Assim, as diversas curtas metragens que compuseram esta maratona foram então exibidas no auditório do Museu de (a) Brincar.   Nota: Consulte o álbum de fotos completo na página do Facebook do Município de Arronches.
‘Cultura em Rede’ abrilhantou noites de São João
25 jun '21 | Cultura
‘Cultura em Rede’ abrilhantou noites de São João
Espetáculos integrados no programa promovido pela Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo deram vida ao Jardim do Fosso nas primeiras duas noites das comemorações são-joaninas.   O Município de Arronches, juntamente com as restantes catorze autarquias norte-alentejanas integraram uma candidatura da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo que prevê a realização de várias iniciativas culturais no território de cada concelho. Este programa, denominado ‘Cultura em Rede’, teve precisamente início em Arronches, com a Câmara Municipal a integrar os dois primeiros espetáculos nas comemorações de São João. Assim, na noite de 23 de junho, já com o Jardim do Fosso engalanado com as habituais decorações são-joaninas, o multiusos daquele espaço foi invadido pelo ‘Baile dos Candeeiros’, um espetáculo de rara beleza que combina música com elaboradas coreografias, abrilhantadas pelas luzes que ora acendiam ora apagavam por cima das cabeças dos artistas. Já no feriado municipal, dia de São João, 24 de junho, foi a vez dos malabaristas italianos Andrea Fanetani e Antonio Tremani brindarem os presentes com o ‘Menú del Dia’, um espetáculo de malabarismo cómico, com pratos, copos e garrafas, bolas de futebol, cordas ou tabuleiros de ovos, que muito terá divertido a assistência, a julgar pelos aplausos dispensados no término da atuação. O programa ‘Cultura em Rede’, agendado de junho a setembro, terá agora iniciativas nos outros concelhos do Alto Alentejo, sendo que regressará a Arronches no mês de julho para um espetáculo que oportunamente será divulgado.    Nota: Consulte o álbum de fotos completo na página do Facebook do Município de Arronches.
Arronches comemora o São João
25 jun '21 | Cultura
Arronches comemora o São João
Embora sem a dimensão, por questões de segurança, que habitualmente as festas populares assumem no concelho, Câmara Municipal está a promover desde dia 23 até dia 28 várias iniciativas para assinalar a data.   Na vila de Arronches, o mês de junho é um dos períodos mais aguardados pela população, uma vez que é nessa altura que se costumam realizar as tradicionais festas de São João. Depois de no ano transato, a autarquia ter apenas assinalado a data de forma simbólica, neste ano de 2021, o Município pretendeu de alguma forma retomar um pouco aquilo que fazia anteriormente, ainda que mais comedidamente, uma vez que não podem ser descuradas as normas de segurança para evitar a propagação do coronavírus. Desta forma, mantendo todas as preocupações com a saúde dos seus munícipes, o Município não pôde realizar os habituais bailes que tanta gente juntam no Jardim do Fosso, mas é precisamente nesse espaço, decorado a preceito, que estão concentradas as comemorações. De dia 23 a dia 26, estarão naquela zona os altares de São João elaborados pelas instituições e coletividades do concelho, intercalados neste ano com expositores de produtos locais, regionais e artesanato, que aceitaram o repto da autarquia e ali estão a promover o seu comércio. Nas duas primeiras noites, o recinto desportivo do espaço recebeu dois espetáculos integrados no programa ‘Cultura em Rede’ da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, sendo que na quarta-feira, dia 23, o serão ficou também marcado pelo espetáculo piromusical, a cargo da Piroctenia Oleirense, estrategicamente posicionado por cima da fortaleza e que bastante cativou os presentes. O feriado municipal, dia 24, iniciou-se, como habitualmente, com a concentração de motas antigas do grupo ‘Os Fumaças’, que depois desfilaram pelas ruas da vila, por onde também seguiu a comitiva convidada depois de se ter reunido nos Paços do Concelho, onde decorreu o içar da bandeira de Arronches e da nação, respetivamente pela mão da presidente da Câmara, Fermelinda Carvalho e do presidente da Assembleia Municipal, José Bigares, ao som do hino nacional tocado pela banda da Sociedade Recreativa e Musical Alegretense. A volta pelas ruas da vila de Arronches terminou na Junta de Freguesia de Assunção, tendo-se inaugurado as instalações, depois da remodelação do espaço. No final da manhã, as atenções centraram-se na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção, onde se realizou a Missa Solene. No período do final da tarde, ficou também inaugurada a segunda fase do Ninho de Empresas de Arronches, espaço que colocará à disposição dos empresários da região mais cinco armazéns, com área variável entre 140,00 m² e os 170,00 m². A grande atração deste feriado municipal foi o espetáculo multimédia, com música ao vivo, com iluminação arquitetural, a cargo da CreativeLed e com fogo de artificio sincronizado, responsabilidade de Piroctenia Oleirense, que fez as delícias do público que se deslocou à Praça da República. As comemorações continuam nesta sexta-feira, dia 25 de junho com a inauguração do Espaço Multiusos do Rossio, pelas 19H00. Às 21H00, atua o grupo arronchense ‘Verde Maio’ no Jardim do Fosso. No sábado, dia 26, nova atuação do grupo da terra, desta feita com o Grupo das Pedrinhas de Arronches, igualmente no Jardim do Fosso, às 21H00. As comemorações terminam na próxima segunda-feira, dia 28 de junho, com o lançamento da primeira pedra da construção de Habitação Social em Esperança, no Loteamento das Pratas, algo que decorrerá pelas 19H00.   Nota: Consulte o álbum de fotos completo na página do Facebook do Município de Arronches.
Laje descoberta em Arronches classificada como «tesouro nacional»
27 abr '21 | Cultura
Laje descoberta em Arronches classificada como «tesouro nacional»
Lápide votiva encontra-se no Museu Nacional de Arqueologia, estando o Município a desenvolver esforços no sentido de recuperar o seu património.   Foi com orgulho que a Câmara Municipal tomou conhecimento da aprovação, no passado dia 22 de abril, em Conselho de Ministros, do decreto assinado pela Diretora-Geral do Património Cultural, Paula Araújo da Silva, que, entre outros bens móveis, classificou uma laje descoberta no concelho de Arronches como bem de interesse nacional, sendo-lhe atribuída a designação de «tesouro nacional». Esta valiosa peça é uma lápide votiva do séc. I a.C., encontrada em 1997 no Monte do Coelho, pelo munícipe Hélder Marques, escrita em língua lusitana, relatando a oferenda de sacrifícios de animais aos deuses. Na lápide lê-se a palavra ‘HARACVI’ que parece estar na origem da palavra ‘Arronches’, significando local de pocilgas, claramente associado à tradicional criação de porcos nesta região. Este foi um longo processo, uma vez que desde a sua descoberta, a laje foi entregue pelo proprietário do terreno ao Município, para que a autarquia a pudesse exibir ao público nas suas instalações, conforme consta no contrato de depósito assinado em fevereiro de 2009. Mais tarde, num protocolo celebrado em março de 2015, a Câmara Municipal cedeu temporariamente a peça original ao Museu Nacional de Arqueologia, tendo em vista a sua exibição numa exposição periódica que terminou no ano de 2017. Até aos dias de hoje e apesar das várias comunicações efetuadas com as diversas entidades desde 2018, a referida peça não regressou a Arronches, situação pela qual o Município mostra a sua profunda insatisfação. Na opinião da Câmara Municipal, com a saída da laje votiva em língua latina, o concelho ficou mais pobre no que ao seu património diz respeito. Continuando a atuar em defesa dos interesses da sua população, a autarquia garante que irá desenvolver todos os esforços ao seu alcance para que a laje regresse ao concelho, local onde pertence, tendo em vista a sua exposição permanente num dos museus de Arronches.   Nota: Fotografia da réplica existente no Centro Cultural de Arronches.
Centro Cultural recebeu lançamento da nova obra de Francisco Ceia
14 set '20 | Cultura
Centro Cultural recebeu lançamento da nova obra de Francisco Ceia
Artista portalegrense regressou a Arronches para lançar o seu novo trabalho, intitulado ‘Filhos da Cidade Morta’.
O auditório do Centro Cultural de Arronches, desta feita com lotação limitada devido às normas de segurança que vigoram atualmente, recebeu na tarde de sábado, dia 12 de setembro, o lançamento da nova obra literária de Francisco Ceia, intitulada ‘Filhos da Cidade Morta’. Perante uma plateia em que se encontravam alguns membros dos executivos autárquicos do concelho, entre os quais o vice-presidente da Câmara Municipal, João Crespo, os vereadores Paulo Furtado e Nelson Velez, o presidente da Assembleia Municipal, José Bigares ou o presidente da Junta de Freguesia de Assunção, José Louro, entre outras entidades convidadas, o artista apresentou-se em palco ladeado pela presidente do Município, Fermelinda Carvalho e pelo seu amigo Jorge Mangerona. Para iniciar esta apresentação, Fermelinda Carvalho começou por dar as boas vindas não só ao escritor como a todos os presentes, referindo na sua intervenção que o Município tem estado a retomar progressivamente a sua atividade cultural, que no seu entender não faz sentido continuar parada. Apesar de ainda não ter tido oportunidade de ler a obra, a edil arronchense tem a convicção de que se trata de um excelente livro, pelo que já conhece do trabalho do autor e daquilo já apresentou em Arronches. A autarca disponibilizou ainda este espaço cultural para receber a apresentação de futuras obras do escritor sempre que este assim o entenda, finalizando a sua intervenção endereçando votos de felicidade para o futuro profissional e pessoal de Francisco Ceia. De seguida, teve a palavra o professor e amigo de longa data do escritor, Jorge Mangerona, que começou por elogiar o trabalho desenvolvido pelo executivo nesta “forte Arronches”, alargando também as palavras elogiosas a uma região que, na sua opinião, tem das melhores coisas do mundo, desde o seu património, à sua gastronomia e, mais importante, as suas pessoas. O professor falou da grande amizade que o une a Francisco Ceia desde os tempos de infância até aos dias de hoje, abordando depois a obra e dando a sua interpretação da mesma, destacando alguns personagens mais caricatos da mesma e que lhe relembraram pessoas do mundo real, concluindo com uma breve leitura de uma passagem do livro. Foi então hora de dar o protagonismo ao escritor dos ‘Filhos da Cidade Morta’. Francisco Ceia, que desta feita escolheu Arronches, terra à qual tem fortes ligações e onde já tinha apresentado os restantes três livros, para lançar esta sua nova obra, começou por agradecer a forma como foi tratado pela autarquia, não só nesta ocasião, como em todas as vezes em que se apresentou naquele espaço cultural. Francisco Ceia deu a conhecer o seu trajeto pessoal e profissional e a forma como desenvolveu este seu gosto pelo mundo artístico em geral e, mais concretamente, pela escrita. A finalizar, o artista falou um pouco da sua obra, revelando quais as fontes que o inspiraram na criação de alguns personagens, levantando um pouco o véu com a leitura de alguns parágrafos do seu trabalho. No final, os presentes tiveram oportunidade de trocar algumas palavras com o escritor, naquilo que se tornou um animado debate entre a plateia e a mesa.
12
...